escritas do corpo face

Eixo: formação de editores e criadores

Nos dias 18 e 20 de Setembro de 2018, aconteceram as sessões da oficina Escritas do Corpo // Escritas de Si. A proposta de cada encontro girou em torno de propostas lúdicas para a prática de escrita criativa, de modo que os participantes tivessem a oportunidade de refletir sobre a construção de sua própria identidade, a partir de exercícios de desbloqueio que geravam pequenos textos.

Por se formular de modo que suscitasse reflexões sobre o corpo, a memória e os afetos, a atividade também foi incluída na II Semana de Visibilidade Bissexual em São Carlos, promovida por um grupo de ativistas independentes da cidade.

Mediador da atividade: Gustavo Primo.

Arte de divulgação (com desenho de Shintaro Kago)

Exercício da primeira sessão:

o animal que voa do corpo

  1. Cada participante escreve, em três tiras de papel, um animal (coruja, macaco, cobra), uma parte do corpo (nariz, pés, seios), uma habilidade especial (voar, ficar invisível, atravessar paredes).
  2. Sorteiam-se as tiras de papel, de modo que cada um recolha duas novas palavras: o animal e a parte do corpo.
  3. O primeiro texto é escrito com a seguinte proposta: “como você reagiria se, de repente, seu/sua [parte do corpo] fosse substituída por uma [parte do corpo] de um/uma [animal]?”
  4. Escreve-se por 5 minutos a partir da proposta. O tempo é controlado por uma trilha sonora que o mediador sorteia.
  5. Acontece a primeira leitura e reflexão sobre os textos produzidos.
  6. A segunda proposta é uma continuação do texto: é preciso pensar que, daquela parte do corpo modificada, emane uma habilidade especial (a terceira tira de papel sorteada). Por exemplo: Meus olhos de gente, substituídos por olhos de carneiro, deram-me a habilidade de correr incrivelmente rápido.
  7. Escreve-se 5 minutos sobre a proposta.
  8. Acontece a segunda leitura do texto, em que há espaço para reflexão e posteriores edições.

Foto da primeira sessão:

WhatsApp Image 2018-10-05 at 13.14.06

Exercício da segunda sessão:

memória clandestina

  1. Cada participante recebe uma tira de papel em que está escrito um dos cinco sentidos do corpo humano (tato, olfato, visão, paladar, audição).
  2. A primeira proposta é escrever a memória mais longínqua que se tem associada a esse sentido sorteado. Por exemplo: o primeiro cheiro que senti na vida. Escreve-se 5 minutos sobre isso.
  3. Acontece a primeira leitura do texto. Imediatamente, os participantes devem reescrever o texto, mas agora trocando o sentido sorteado, de modo que se altere a percepção da memória que foi escrita. Por exemplo: que barulho faziam aqueles raios de sol que eu via através da porta? (para uma participante que primeiro escreveu sobre a visão, e em seguida sobre a audição).
  4. Releitura do texto e pequena reflexão.
  5. Agora, os participantes devem escolher as 5 palavras ou frases mais importantes de seu texto e suprimi-las, colocando lacunas no lugar. Seu texto, com lacunas, é entregue a um outro participante.
  6. Segunda proposta: cada participante, que recebeu uma memória repleta de lacunas, deve reler o texto e preenchê-lo com suas próprias palavras, de modo a incorporar para si a memória de outrem, uma memória clandestina.

Foto da segunda sessão:

WhatsApp Image 2018-10-05 at 13.14.04

divisor

Captura de Tela 2017-08-10 às 15.23.16
O interprograma Poesia por Minuto é um espaço reservado à nova poesia

Pareceria da Rádio UFSCar e do coletivo Nó de Verso, ligado ao LABEPPE

Poemas que estão saindo do forno!

divisor 2

LAB 3 2017

Os laboratórios do bacharelado em linguística da USFCar se dedicam a experimentos linguísticos, semióticos e comunicacionais, explorando a língua na sua relação com diversas linguagens.

Em 2017, o LAB 3 – que focaliza  o tópico sintaxe, no módulo MEiOS E MATERiAiS INSTRUCiONAiS se propôs que fosse entendida, numa abstração conceitual, como articulação vetorial de elementos formais que ensejam produção semântica.

Para conduzir um exercício de aplicação prática dessa delimitação, o LAB 3 – módulo MEiOS E MATERiAiS INSTRUCiONAiS recebeu os designers Fernanda Capelari de Carvalho e Alexandre Sakata, e os alunos criaram, conforme alguns fundamentos tipográficos e cromáticos, logotipos para o recém-instalado Laboratório de Fonética da UFSCar.

O ensaio completo dos exercícios de criação está aqui.

divisor

Oficina de Escrita Criativa realizada no MACACO – Movimento Artístico e Cultural da CAASO/USP
Organizados por: Claudia Maria de Serrão, Gustavo PrimoPedro Alberto Ribeiro

Este slideshow necessita de JavaScript.

divisor

Fotos dos processos de criação realizados no Ciclo de Oficinas “A Escrita Criativa e o Trabalho com o Literário”
Organizados por: Claudia Maria de Serrão e Pedro Alberto Ribeiro

Este slideshow necessita de JavaScript.

divisor3

identidade visual e diagramação
Fernanda Capelari de Carvalho

Confecção do portfólio com os logos criados para o Laboratório de Fonética da UFSCar. Os logos foram resultado das aulas de laboratório II meios e matérias institucionais: sintaxe do bacharelado em linguística. portfólio

Trabalho de identidade visual e diagramação do material didático de espanhol do Instituto de Línguas da UFSCar. – material-didatico-de-espanhol

Identidade visual e diagramação do Manual Bilíngue para Estudantes em Mobilidade Internacional na UFSCar em parceria com ENACTUS – UFSCar. – manual-enactus

Cartaz para a divulgação da Roda de conversa com Uara Pataxó – O Artesanato na Cultura Pataxó – artesanato-il

Salvar

Salvar

Anúncios