ciência aberta: uma análise discursiva do acesso à informação

autora: Marina Delege

Dada a importância do acesso à informação e o modo como sua divulgação é controlada, este trabalho tem como objetivo abordar discursivamente a expressão Ciência Aberta, apoiando-se nos postulados teóricos de Dominique Maingueneau, através de um corpus formado por textos de instituições como o Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), que desde os anos 90 se mobilizava para enfrentar as dificuldades sociais na luta pela democratização da comunicação, assim como a Revista FAPESP, a qual é publicada por uma das mais importantes agências de fomento a pesquisa e que, sobretudo, busca divulgar os resultados da produção científica e tecnológica brasileira.

palavras-chave: Ciência Aberta; Acesso à Informação; Divulgação Científica.

publicado em: II Jornada Internacional GEMInIS (2016)

divisor

humor e contemporaneidade: uma análise dos textos do colunista Tutty Vasques

autor: Diogo Silva Chagas

O presente artigo propõe uma análise dos textos humorísticos do jornalista e colunista Tutty Vasques, que publicava uma coluna e um blog no jornal O Estado de S. Paulo, com o propósito de identificar os recursos e técnicas de que o autor se vale para produzir o efeito de humor em seus textos. A pesquisa se embasa em referenciais teóricos do campo da Análise do Discurso, principalmente nos trabalhos de Maingueneau e Possenti.

palavras-chave: humor; análise do discurso; contemporaneidade

publicado em: Revista Estudos Linguísticos (2016)

divisor 2

o tempo que morria dentro de mim – confluências entre a cidade de Manaus e o narrador Nael no romance Dois Irmãos

autora: Claudia Maria de Serrão

Este artigo analisa as relações de confluência entre a cidade de Manaus e o narrador Nael, do romance Dois irmãos, de Milton Hatoum, perante as mudanças sociais ocorridas na cidade com a industrialização e a mercantilização dos bens culturais entre os anos de 1920 e 1960. Conforme Fredric Jameson (1992, 1997), durante esse período ocorrem transformações estéticas dos bens culturais, afetando a relações que estes estabelecem com os sujeitos. Para o autor, o capitalismo tardio pode ser visto como causa das mudanças que ocasionam o momento histórico-cultural denominado pós-modernidade. Desse modo, considerando que nesse período a cidade de Manaus passa por uma sede de desenvolvimento, esmaecendo aos poucos a sua história com a chegada do progresso e de uma política que privilegiou determinado setor social em detrimento de outros, pretendemos analisar a confluência que se estabelecem entre o narrador e o espaço urbano, uma vez que consideramos que Nael não apenas busca sua origem (identidade), mas luta por uma resistência política da própria espacialidade em que se insere como sujeito, preservando as memórias do que o faz vivo: a casa e a cidade.

palavras-chave: pós-modernidade; cidade; Dois irmãos; Milton Hatoum.

publicado em: Revista Opiniães (2016)

divisor3

língua, cultura e imaginários: singular e plural em conflito nos materiais didáticos de português para estrangeiros

autoras: Luciana Salazar Salgado, Helena Boschi

Partindo de uma perspectiva discursiva em diálogo com pesquisas recentes da sociolinguística e da linguística aplicada, temos como objetivo investigar a construção e a difusão de imaginários de língua e de cultura, focalizando o primeiro livro da coleção Brasil intercultural (Ciclo Básico, nível 1 e 2 – MOREIRA; BARBOSA; CASTRO, 2014). São examinadas, assim, propostas de atividade. Os dados mostram um conflito entre um posicionamento progressista e um posicionamento conservador ao longo do material, o que, segundo nossa hipótese, é um efeito da circulação de discursos no espaço público: enquanto estudos da linguagem mostram cada vez mais a complexidade das estruturas linguísticas e da diversidade de usos em conjunturas variadas, no mercado editorial, os próprios autores e o público consumidor são atravessados por um imaginário de língua e de cultura que estabelece uma relação biunívoca entre elas, calcada na noção de que uma língua é um código estável característico das trocas definidoras de um território nacional.

palavras-chave: português brasileiro; interlíngua; imaginários.

publicado em: Caderno de Estudos Linguísticos (2016)

divisor

dispositivos comunicacionais e produção de imaginários: o caso dos periódicos científicos

autoras: Luciana Salazar Salgado, Letícia Moreira Clares

No quadro da Análise do Discurso de tradição francesa (AD), propomos neste artigo uma reflexão que parte da noção de dispositivo desenvolvida recentemente por Jean-Jacques Courtine (2013) para estudar os formulários de revisão por pares das revistas do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB/USP) e do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH/USP), GEOUSP: Espaço e Tempo, com vistas a observar como, nesse tipo de material, (re)constroem-se imaginários de ciência a partir do modo como os processos editoriais acontecem e caracterizam a comunicação científica, nos liames do que Dominique Maingueneau (2006) considera uma instituição discursiva. Partindo das reflexões desenvolvidas até o momento na pesquisa intitulada Ritos genéticos editoriais e comunicação científica: a atividade de revisão em periódicos, explicitamos a configuração desses periódicos como dispositivos comunicacionais e, para tanto, alguns indícios da constituição desses imaginários nos ritos genéticos editoriais adotados nos processos de mediação editorial dos periódicos estudados. Pretendemos, então, investigar algumas das dimensões da mediação editorial que balizam os imaginários de ciência e põem em circulação pública o conhecimento acadêmico.

palavras-chave: periódicos científicos; dispositivos comunicacionais; mediação editorial; comunicação científica; ritos genéticos editoriais

publicado em: Filologia e Linguística Portuguesa (2015)

divisor 2

considerações sobre o funcionamento da fórmula discursiva “cultura de paz” no mercado editorial brasileiro

autora: Helena Boschi

Neste artigo, nos propomos a analisar discursivamente o mercado editorial brasileiro no que diz respeito a publicações que têm “cultura de paz” como objeto principal, sintagma que consideramos funcionar como fórmula discursiva segundo os parâmetros estabelecidos por Krieg-Planque (2010). Postas em circulação como objetos técnicos específicos – cartilhas, livros teóricos, coletâneas, etc. –, essas obras colaboram para a instauração e a difusão dessa fórmula nos discursos institucionais como agente de apagamento da conflitualidade, notadamente por meio de seu funcionamento como referente social no espaço público e, como consequência, argumento legitimador de práticas institucionais variadas.

palavras-chave: cultura de paz; fórmula discursiva; mercado editorial brasileiro.

publicado em: Revista Estudos Linguísticos (2015)

divisor3

ritos genéticos editoriais: a mediação das beta-readers

autoras: Luciana Salazar Salgado, Amanda Guimarães

Este artigo visa apresentar, de forma sucinta, a análise feita sobre o funcionamento discursivo da mediação editorial dentro da cultura de fãs, mais especificamente por meio das fanfics, fanfic writers e beta-readers, tema da pesquisa de iniciação científica financiada pela FAPESP ainda em desenvolvimento.

palavras-chave: ritos genéticos editoriais; paratopia criadora; discursos constituintes; cultura de fãs

publicado em: Anais do IV CIAD (2015)

divisor

“vida simples”: o discurso do bem-estar corporificado no consumo

autoras: Luciana Salazar Salgado, Denise Gasparini Perfeito

Com vistas a contribuir para investigações sobre a relação entre sujeitos e objetos na constituição da contemporaneidade, este artigo apresenta uma breve análise do modo como a revista Vida Simples dá tratamento ao que pode ser referido como discurso do bem-estar. Embora seu projeto editorial se apresente com o propósito de auxiliar o sujeito contemporâneo na busca por uma vida melhor porque descomplicada, pode-se dizer que esse discurso, instituído numa conjuntura de “mal-estar dos indivíduos”, materializa-se na construção de um ethos discursivo de aconselhamento que inclui, paradoxalmente, estímulos ao consumo insaciável.

palavras-chave: discurso do bem-estar; cultura de consumo; ethos discursivo

publicado em: Artefactum – Revista de Estudos em Linguagem e Tecnologia (2015)

divisor 2

mediação editorial e ethos discursivo: uma análise da construção de personagens na coleção Snoopy

autora: Fernanda Capelari de Carvalho

Inscrito no quadro da análise do discurso de tradição francesa de base enunciativa, este trabalho mobiliza um modelo teórico proposto pelo linguista Dominique Maingueneau (2007, 2012) para analisar processos de edição, tendo como proposta focalizar a construção de personagens como criação de ethos discursivo. O material que constitui o corpus reúne dez livros da coleção SNOOPY, uma coleção que abrange tirinhas da obra de Charles M. Schulz, Peanuts. Nessas tirinhas, focalizaremos os materiais linguísticos ligados aos personagens dessa obra, evidenciando curiosidades com relação aos processos de edição que afetam o ethos discursivo dos personagens. Consideraremos também questões como a problemática da tradução e autoria. Trata-se de abordar um problema de mediação editorial.

palavras-chave: mediação editorial; ethos discursivo; tradução

publicado em: Anais do IV CIAD (2015)

divisor3

gênese discursiva da fórmula “cultura de paz” 

autoras: Luciana Salazar Salgado, Helena Boschi

Este artigo apoia-se em propostas recentes da pesquisadora Krieg-Planque (2010), que trabalha na interface das ciências da informação com os estudos da linguagem, considerando o quadro teórico da análise do discurso francesa, evocado pela noção de ‘gênese discursiva’ desenvolvida por Maingueneau ([1984] 2008). Focaliza, com isso, o percurso do sintagma ‘cultura de paz’ no espaço público brasileiro, especialmente na cartilha Cultura de Paz: redes de convivência (DISKIN, 2009), marco de um período de intensa circulação dessa fórmula, para mostrar como é produzido um ‘efeito de consenso’ na superfície linguística de um termo que, em seus usos, assume interpretações diversas.

palavras-chave: fórmula discursiva; sintagma cristalizado; circulação de discursos; interdiscurso

publicado em: Acta Scientarum Language and Culture (2014).

divisor

ritos genéticos editoriais: o revisor de textos circunscrito na dicotomia leitura e autoria

autora: Letícia Moreira Clares

Este artigo é um recorte da pesquisa de Iniciação Científica “A interface material impresso e audiolivro: o lugar do revisor de textos nos processos editoriais envolvidos”, desenvolvida no âmbito da UFSCar e do Grupo de Pesquisa COMUNICA – Reflexões Linguísticas sobre Comunicação. Tomando como objeto de análise as versões impressa, roteiro de adaptação textual e audiolivro do material didático Reflexões sobre o fazer docente, investigaremos o modo como as circunscrições do revisor de textos o situam na correlação leitura e autoria.

palavras-chave: ritos genéticos editoriais; tratamento editorial de textos; revisor de textos

publicado em: Versalete (2013)

divisor 2

chico Buarque das letras: uma análise discursiva com as noções de paratopia e ritos genéticos

autora: Maria Renata Casonato Motta

Este artigo é fruto do projeto de Iniciação Científica desenvolvido na UFSCar, intitulado “Paratopia criadora e ritos genéticos: uma abordagem discursiva da crítica à obra literária de Chico Buarque de Hollanda” no âmbito do Grupo de Pesquisa COMUNICA – Reflexões Linguísticas sobre Comunicação. Observaremos o modo como o lugar do autor se constrói através da análise dos textos da crítica literária a respeito dos livros Budapeste (2003) e Leite Derramado (2009) de Chico Buarque de Hollanda. Os dados focalizados neste artigo são parte do corpus de pesquisa e estão circunscritos aos jornais Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo, no período de 2003 a 2012.

palavras-chave: Chico Buarque de Hollanda; paratopia criadora; ritos genéticos

publicado em: Cadernos Discursivos (2012)

divisor3

Salvar