por NINJA

Muito longe do Boulevard Olímpico-Militar da Bahia de Guanabara, há outro Boulevard. É também da organização dos Jogos Olímpicos. Mas é muito mais do que uma exibição militar. É mais divertido, mais real, mais amável. Melhor, digamos.

Foto: Delegação NINJA / Henrique Gaspar
Foto: Delegação NINJA / Henrique Gaspar

A uma hora de botafogo está o parque de Madureira, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Não é o Rio de Copacabana nem o de Ipanema. É outro lugar. Ali não se vê estrangeiros. Há policiais e segurança máxima. Mas o passeio não se trata de um grupo de forças armadas.

Foto: Delegação NINJA / Henrique Gaspar

O Parque Madureira se tornou nesses dias um dos boulevards-olímpicos que revigorou o que foi da Fan Fest do Mundial 2014. Funciona, é claro, sob a lógica da maquiagem Olímpica, marca registrada da #Rio2016. Mas neste lugar, além de belos arranjos para a ocasião, se vê famílias, vizinhos, amigos e muitas crianças. São pessoas dos bairros do Rio que se juntam ali para festejar.

Foto: Delegação NINJA / Henrique Gaspar
Foto: Delegação NINJA / Henrique Gaspar

Dessa vez se festeja durante um concurso de passinho, uma dança que se tornou muito popular no Rio a partir da cultura das favelas e da rua. Um tipo de passo freestyle com base de um funk explosivo.

Foto: Delegação NINJA / Henrique Gaspar

O apresentador e o DJ fazem uma dupla que conduz em alta intensidade. As famílias dos participantes estão perto do palco e enlouquecem quando ouvem o nome de seus filhos, seus sobrinhos, vizinhos ou amigos. Muitos se conhecem, e é por isso que a festa ali acontece, apesar dos Jogos Olímpicos, é local.

O evento se chama Passinho de Ouro e é oficialmente uma competição de dança organizada pelos Jogos Olímpicos. A produção convocou diversas crianças e adolescentes das favelas do Rio para participar do concurso.

A final ocorrerá no Boulevard Olímpico-Militar de Guanabara, no dia 20 de Agosto. Em uma nova cena ideológica dos Jogos da Exclusão, crianças e adolescentes das favelas competem por um movimento definitivo em plena área naval. “São 3 mil reais para o vencedor”, revela nervoso um menino de 14 anos antes de subir ao palco.

Foto: Delegação NINJA / Henrique Gaspar

A competição acontece naturalmente enquanto participantes que já competiram, descem do palco e se tornam parte do público. Em torno, muitas crianças jogam futebol e andam de bicicleta desfrutando de um outro mundo. Os mais velhos bebem umas cervejas. Todos tiram muitas fotos. E nada pode negar: há uma atmosfera de festa constante.

Assim, o resultado da competição não é mais tão importante como antes com a harmonia do ambiente e toda a atmosfera é dissipada junto a noite. Os ganhadores voltam pra casa junto aos perdedores, e os bairros, apesar de tudo, seguem celebrando a vida em cada ocasião.

Foto: Delegação NINJA / Henrique Gaspar

 

Anúncios