Do Facebook do jornalista Luis Costa Pinto, recolho o sensacional vídeo do estudante secundarista o Lucas Penteado Kóka, que participou da ocupação do Centro Paula Souza, em São Paulo, com uma repórter da TV Globo.

Ele não é nem agressivo, nem grosseiro, mas há irritação por parte da profissional que se vê, subitamente, personagem igual aos que ela faz personagem.

Lucas, sem formação teórica, usa apenas a sensibilidade dos critérios de convívio que aprendeu com o comportamento dos jornalistas e dos programas de reportagem que perseguem e emparedam seus “entrevistados-vítima”.

É uma triste verdade quando o menino diz: “vamos brincar de mídia”, fazendo com ela o que viu repórteres fazerem centenas de vezes com pessoas “normais”.

A coleguinha demonstra não ter o menor fairplay ao ser deslocada do seu papel de “autoridade”. E nem jogo de cintura para reagir aos questionamentos.

Poderia ter dito: sim, eu sei que vocês querem isso, aquilo, aquilo outro. E que estava ali para mostrar o que a garostada estava fazendo e deixar que eles explicassem as razões. Se a emissora ia dar ou não, diria, eles sabem que não é decisão dela, mas ela faria o melhor.

Mas, não. Saiu-se com a explicação de que o silêncio provaria uma suposta neutralidade que sabe que não existe e menos ainda existe na Globo. Encampou o discurso oficial e hipócrita, quando poderia – sem se comprometer profissionalmente – responder ao garoto.

Dizer que nunca foi pedido para ter opinião diferente do que tem é muito pobre. Porque às vezes obedece-se sem que se tenha de mandar.

Alguns colegas acharam que a repórter foi “emparedada”. Discordo e estou cansado de ver pessoas serem muito mais emparedadas por repórteres.

Nem acho que responder com calma e equilíbrio, dizendo que sabe bem a pauta dos estudantes e que vai gravar seus argumentos e reivindicações vá tirar o emprego de ninguém.

Muito pior -e a gente não pode deixar de entender por que isso acontece – é que o menino acha que, sim, o “arrocho” ao entrevistado é ser repórter.

Não é o que muitos de nós temos sido?

 

Anúncios